MORCEGO

POMBOS

LIMPEZA DE CAIXA D'AGUA 

Morcego

No mundo existem aproximadamente 950 espécies de morcegos, e para surpresa de muitos, sua pelagem pode ser não apenas de cinza à preta, mas também branca, castanha, amarelada e até mesmo avermelhada. Eles são os únicos mamíferos com capacidade de vôo, e vivem em grandes, médias, pequenas colônias, ou ás vezes até solitários.

Apesar de todos os morcegos enxergarem, os pequenos possuem um mecanismos conhecido como "sonar dos morcegos", que seria uma orientação através de ecos, assim como os golfinhos e as baleias. Eles emitem ondas sonoras ultra-sônicas (pelas narinas ou boca; dependendo das espécie). Essas ondas atingem obstáculos no ambiente e voltam em forma de ecos (ecolocalização), que são captados pelos ouvidos do morcego.

A capacidade de vôo talvez seja o motivo que tenha permitido aos morcegos explorarem diversos tipos de alimentos, como insetos, frutos, néctar, pólen, artrópodes, peixes, rãs, lagartos, pequenos pássaros, morcegos e sangue. Os insetívoros somam 70% desses mamíferos voadores. Para os fitófagos a reprodução está diretamente ligada à floração ou frutificação, ocorrendo portanto, em épocas diferentes do ano. Os hematófagos, por sua vez, não tem período definido, já que seu alimento (sangue) está disponível na natureza durante o ano todo. A gestação pode variar de dois à sete meses, dependendo da espécie e, geralmente nasce um filhote. Das quase 1.000 espécie apenas 3 são hematófagas, ou seja, sugadoras de sangue. Em média os morcegos vivem 15 anos e a partir de dois anos têm início a vida reprodutiva.

Animais de criação, e o gado em especial, na zona rural brasileira sofrem séria ameaça, em função dos ataques de morcegos vampiros. Já foram registrados também casos de ataques a seres humanos, alguns até feitos repetidas vezes sem que a vítima se desse conta, pois teve seu sangue sugado durante o sono.

Segundo Manual de Manejo e Controle de Morcegos em Áreas Urbanas e Rurais, Ministério da Saúde (1998) a raiva, doença que é viral, aguda e letal, pode ser transmitida não só pela mordedura, mas por arranhadura ou lambedura de qualquer espécie de morcego. A Histoplasmose por sua vez, se dá por inalação de esporos de fungos encontradas nas fezes acumuladas nos abrigos diurnos dos morcegos.

Devido as fezes acumuladas poderem provocar doenças respiratórias, devem ser colhidas com um aspirador de pó ou bem umedecidas com água para não ocorrer suspensão de partículas.

 

Dúvidas mais comuns em relação os morcegos:

Há morcegos em meu telhado. O que fazer?

Entre em contato com ZOOTEC verde dedetização para que sejam tomadas as providências adequadas, pois matá-lo é considerado crime. Morcegos, que na natureza têm a função de controlar insetos e, no caso dos frugíveros, espalhar sementes e polinizar flores, estão protegidos pela Lei de Proteção à Fauna (Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967). Mas, se caso algum deles entrar na residência, mantenha-se afastado dos morcegos e acione empresa especializada.

 

Porque os morcegos escolheram exatamente o meu telhado?

Antes das cidades, estes morcegos só empregavam como abrigo cavernas ou ocos de árvores, locais escolhidos pela temperatura e umidade constantes durante o ano todo. Com a construção de casas e conseqüente urbanização, os telhados com forros apresentaram-se como excelente opção para refúgio. Nestes locais, a temperatura é extremamente elevada, atingindo 55 graus centígrados ou mais e ainda há ausência de vento e facilidade de acesso.

Esses morcegos apresentam algum perigo?

As espécies que se refugiam em telhados são espécies insetívoras, isto é, alimentam de insetos enquanto voam sobre clareiras, rios, lagos ou áreas florestadas. São, portanto, espécies inofensivas e extremamente relevantes pelo controle de insetos que realizam. Um morcego de apenas quatro gramas pode ingerir 200 insetos em uma única noite.

 

O que fazer quando eles entram em casa?

Alguns podem entrar na sua casa e ter dificuldade de localizar a saída. Estes, geralmente, não conseguem levantar vôo do chão, necessitando de apoio para subir e então, decolar. Se não perseguidos, logo encontrarão a saída, devendo ser deixada aberta uma janela ou porta.

 

Que pó é esse que cai em casa?

Estas espécies de morcegos abandonam o refúgio pouco antes, durante ou logo após o crepúsculo para obter os insetos que se alimentam. Com apenas 70 a 90 minutos eles capturam grande quantidade de insetos, que são fragmentados com os dentes ainda durante o vôo e as partes comestíveis estocadas nas bochechas. Aos retornarem ao refúgio é que ingerem o alimento. Os morcegos sairão novamente, se necessário, logo antes do amanhecer para capturar mais insetos. Grande quantidade de fezes é acumulada no seu refúgio, e podem cair no interior da residência pelas frestas do forro.

 

Quantos morcegos podem estar no meu telhado?

Morcegos são, em sua maioria cooperativos, isto é, formam haréns ou colônias, por vezes muito numerosas. No entanto, as espécies que habitam telhados não formam largas colônias.

 

Podem transmitir alguma doença?

Não apresentando hábito alimentar hematófogo, isto é, ingestão de sangue, pouco probabilidade de transmissão de doenças é apresentada com a proximidades destes animais. No entanto, alguns cuidados devem ser tomados. Jamais segure um morcego em luvas, pois poderá ser mordido. Tampe a caixa d'água, principalmente se localizadas no telhado. Ao mexer no forro utilize máscaras protetoras para o nariz e boca.

Meu gato pegou um morcego. Preciso vaciná-lo novamente?

Cães e gatos precisam receber, anualmente, vacinação anti-rábica preventiva. Se já estiver vacinado, não é necessário revaciná-lo caso entre em contato caso entre em contato com algum animal silvestre.

 

 

 

 

 

 

POMBOS

Os pombos domésticos (Columba livia) são originários do continente Europeu, e foram introduzidos na América do Sul por volta do século XVII. Desde então se fazem presentes em grande número nos ambientes urbanos, graças à sua grande facilidade de adaptação e reprodução. Apesar de simbolizarem a Paz, ospombos são considerados pragas urbanas devido a sua característica de serem hospedeiros de diversos organismos que causam prejuízos à nossa saúde. Além disso, os pombos causam danos materiais decorrentes da deposição de suas fezes nos mais diversos tipos de construções, em materiais industrializados, em depósitos de maquinarias, etc.

Os pombos adaptaram-se prontamente a este tipo de ambiente por três razões básicas para sua sobrevivência: Oferta abundante de abrigo: arquitetura urbana de edifícios, monumentos e obras de engenharia apresentam grande quantidade de frestas, beirais e saliências que simulam perfeitamente o habitat natural destas aves em desfiladeiros e penhascos.

Ausência de predadores : a ausência ou o pequeno número de aves de rapina (os principais predadores dos pombos) em área urbana impede o controle natural destas populações possibilitando, ainda, uma maior sobrevivência de animais fracos e doentes que se tornam reservatórios e disseminadores de doenças.

Matar Pombos

Grande quantidade de fontes de alimentação disponíveis : A grande disponibilidade de alimento, seja devido ao lixo e restos de alimento acumulados, seja pela alimentação fornecida pelo homem (através de grãos, farelos, entre outros) contribui para a alta reprodução e também para a manutenção de animais mais fracos e doentes que seriam eliminados naturalmente, caso as fontes de alimentação fossem menores como no ambiente selvagem. Em quatro estudos já realizados em todo o mundo está comprovado que a disponibilidade de alimentação é fundamental para a dispersão da população.

Dentre as doenças transmissíveis pelo pombo, existe a Toxoplasmose (que pode causar cegueira, aborto, e até a morte), a Histoplasmose, a Erisipela, a Salmonelose, a Candidíase e a Aspergilose. Estas doenças são transmitidas ao homem principalmente por vias respiratórias, através da inalação das fezes secas depositadas em caixas armazenadas, no chão, em beirais, em máquinas, ou em qualquer outro local defecado. Outra forma de contaminação é através dos piolhos dos pombos.

Principais doenças transmitidas pelos pombos:

  • CRIPTOCOCOSE – inflamação no cérebro e meninges, ocasionadas por fungos.

  • HISTOPLASMOSE– infecção pulmonar causada por fungos.

  • ALERGIA – desencadeada por penas que contém piolhos, ácaros e pulgas.

  • TOXOPLASMOSE – infecção celular que ataca múltiplos órgãos, ocasionada por protozoários.

  • ORNITOSE – infecção pulmonar.

  • SALMONELA – infecção intestinal, ocasionada por bactérias ( alimentos contaminados ).

  • PSITACOSE – causa dor de cabeça, febre alta, calafrios, ocasionadas por vírus.

  • COCCIDIOSE, CANDIDÍASE, ENCEFALITE, PSEUDOTUBERCULOSE, TUBERCULOSE AVÍCOLA e mais 26 doenças registradas.

 

Características:

  • Vivem até 15 anos

  • Com 7 meses já se reproduzem

  • Produzem 5 ninhadas por ano

  • Cada ninhada gera 2 filhotes

Combate e Controle

  • Espículas

  • Espiral

  • Fio Tencionado

  • Telas Bloqueadoras

  • Gel Repelente

Barreiras físicas (Espículas) – Consiste na instalação de pontas flexíveis que impedem o pouso da ave devido a situação do material utilizado. Não provocando ferimento à ave.

 

Barreiras físicas (Espirais) - Consiste na instalação de espiral telescópica em aço inoxidável, eficaz ao encontro dos pombos em áreas de pouso, é instalada nos locais com uma variedade de fixadores. Apresenta uma barreira física a aves e pássaros que pousam representando uma plataforma instável de permanência. Não provoca nenhum ferimento à ave. Usos: Beirais, parapeitos, muros, grades e pontos retos e/ou curvos de curta e longa distância.

 

Barreiras físicas (Fios Tencionados) - A fixação dos fios se dá nas extremidades por uma base. Estes acessórios podem ser empregados em calhas de prédios, parapeitos, beirais e quaisquer outras superfícies a critério da situação encontrada. Dificulta o pouso das aves. Não provoca nenhum ferimento à ave. Instalação com medidas incorretas e forma errada não dará resultado, a atuação de um profissional nesta instalação é necessária e importantíssima.

 

Telas bloqueadoras - Consistem na vedação de vãos de acesso em forros de telhado, desvãos, saídas de tubulações de serviço e outros espaços. Os aparelhos de ar condicionado podem ser recobertos com redes de poliuretano em sua parte externa, para evitar a nidificação depombos nos vãos. Estas redes são praticamente invisíveis, podendo ser utilizadas em janelas de prédios históricos, para prevenir a entrada de pombos. As telas de arame galvanizado de ¾ de polegada têm maior resistência e vida útil do que as telas de plástico, sendo de custo mais elevado.

 

Gel repelente - Consiste no emprego de substâncias atóxicas, sem adição de praguicidas ou repelentes químicos, que têm a função de inibir o pouso dos pombos, por causar repelência por irritação de contato.Estas substâncias são em forma de gel, podendo funcionar por períodos determinados pelas características do ambiente. O gel repelente é bastante indicado para parapeitos, vãos de acesso, locais de pouso em fachadas de prédios, grades de aparelho de ar condicionado, estruturas arquitetônicas de alto relevo de prédios de construção antiga e outros.

 Limpeza de Caixa d'água e reservatórios

    A Zootec também é especializada na prestação de serviços de limpeza de caixa d’água e de reservatórios de água dos mais variados tipos e tamanhos em residências, condomínios, estabelecimentos comerciais e indústrias em todo o estado de São Paulo com atendimento 24 horas de segunda a domingo.

Possuímos corpo técnico especializado, formado por profissionais experientes e qualificados, que deixarão o seu reservatório de água limpo e desinfetado de acordo com as normas da CETESB e orientações da ANVISA.

Importância da limpeza da caixa d'água

    Á água que bebemos, preparamos alimentos ou utilizamos para higiene deve estar sempre limpa e tratada. Para que isso seja possível, o reservatório de água deve estar limpo, desinfetado e em boas condições de armazenamento. Caso contrário a água pode ficar contaminada por micróbios e causar sérias doenças.

Periodicidade recomendada pela ANVISA para limpeza

  • No caso de residências é recomendável a limpeza da caixa d'água a pelo menos cada 6 meses.

  • No caso de condomínios e estabelecimentos comerciais e industriais é exigido por lei que a limpeza dos reservatórios de água seja feito no mínimo a cada 6 meses.